Um toque de crise

Já vou avisando que esse é um post um pouco diferente dos demais. Se permita ser tocado por ele. Leia de cabeça e coração abertos. Agora chega de fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo. Diminua seu ritmo, respire fundo e sorria.

Ontem eu estava cruzando uma avenidona quando eu vi, em um muro, uma frase muito particular. O trânsito não estava a meu favor, já que eu não sou muito daquelas pessoas sortudas, então eu passei rápido demais (como tudo nessa vida) e não consegui tirar uma foto.

O autor tem outras frases parecidas e eu consegui identificá-lo pela forma com que ele assina a interrogação em seus questionamentos. Ela meio que emenda na última letra, não sei explicar direito, mas estou em uma busca incansável por alguma foto disso para compartilhar aqui.

“Você já sorriu hoje?’’ talvez seja a mais famosa e a que é mais usada por várias pessoas por aí. Já havia me deparado com ela várias vezes e isso sempre foi capaz de me arrancar um sorriso genuíno, que permanecia lá por um bom tempo, mesmo que só no canto de minha boca. Sorria porque percebia que, muito provavelmente, tinha passado um dia todo sem rir por nada, ou sem mostrar um sorriso de alma. Passava, e ainda passo, meus dias brava e irritada por coisas tão efêmeras e desnecessárias. Sim, a vida é efêmera. Nós sabemos disso. E por que diabos ficamos perdendo esse tempo precioso com coisas tão banais? Todo dia deveria ser dia de ser feliz. De sorrir a um completo estranho, ou a pessoa que você mais ama nesse mundo. De fazer tudo com um sorriso verdadeiro estampado no rosto, ou de não fazer absolutamente nada, também estupidamente feliz. Não precisamos de um motivo para sermos assim tanto quanto não precisamos fazer alguma coisa todo o segundo de todo o minuto, com o propósito de sermos “produtivos”. Eu não quero ser produtiva o tempo todo, mas se você quiser, tudo bem também! Que você o faça com um sorriso tão grande quanto o meu, e digo isso em forma de desejo. Se você parar para pensar, seu próximo sorriso pode ser o seu último. Ok, mas não mostre os dentes agora para a tela desse computador por puro medo ou agonia. Sorria de verdade, com mil motivos de felicidade ou nenhum também. Bocejos contagiam, mas sorrisos também. E é aí que está a beleza de tudo isso.

Eu divergi totalmente do assunto inicial, até porque a frase que eu queria compartilhar não era nem essa. Como o disse o João Cunha um dia na aula (sim, eu sou o tipo de pessoa que fica com essas coisas na cabeça para sempre), “a hora é agora e o momento é já”. Sei lá, só me deu uma urgência de viver enorme agora e isso acabou atravessando meu coração até aqui. Enfim, a frase que criou toda essa confusão era:

“VOCÊ JÁ EXISTIU HOJE?”

Tipo… quê?? Olha, se o cara tivesse perguntado se eu já vivi hoje, eu já teria entrado em crise. Não sei se eu vivi de verdade hoje. Nem ontem… Você viveu? Não sei também. Mas existir… Cara, como alguém me pergunta isso? Não sei nem como começar a responder essa pergunta. Só sei que poderia me estender num post do tamanho da minha vida (hipérbole básica) falando sobre isso. Trago aqui a definição de existência para que vocês tentem responder a si próprios essa pergunta tão intrigante.

existência: 1. estado de quem ou do que subsiste, sobrevive. 2. o fato de viver, o estar vivo; a vida. 3. maneira de existir. 4. o fato de ser real. 5. o fato de estar presente (em algum lugar); presença. 6. no aristotelismo e esp. na escolástica, o ente individual e concreto. 7. no pensamento de Kierkegaard 1813-1855 e no existencialismo contemporâneo, modo de ser próprio do homem.

Desculpem a colocação da crise, é que eu realmente fiquei bastante conturbada com isso. Respostas e comentários são mais do que bem vindos. Espero que eu tenha tirado vocês um pouco do lugar comum, da máquina automática que a gente vira nessa vida, e que isso tenha ajudado vocês, de alguma forma, a serem mais felizes.

Ah, e não se esqueçam de sorrir. ❤

Rafa

Anúncios